24 de fev de 2014

Quando tudo começou a mudar na minha vida.



Oi gentchêe!!

Tudo bem com vocês? Bom, hoje o post é um pouquinho diferente! Vim compartilhar algumas coisas da minha vida. O que já faço bastante, aqui, por sinal né? haha. A questão é que de uns tempos pra cá aconteceram várias coisas na minha vida, na qual tive que ser muito forte. Não foi só um acontecimento pra ter feito eu "quase" desistir de tudo. Sabe quando você tá "mal" e parece que o mundo desaba em cima de ti? Foi isso que aconteceu..
Eu só conseguia pensar em como tudo era bem mais fácil antigamente, em como as coisas fluíam mais rápido do que hoje em dia. Quando  tinha 9,10 anos, eu não era o tipo "popular" da escola, na hora do recreio os menininhos não ficavam correndo atrás de mim tentando roubar beijinho, até porque a hora do recreio era sagrada, tudo o que eu queria era brincar de policia e ladrão,pega-pega e escalar as árvores do pátio. Não tinha uma vez em que não chegava em casa com o joelho ralado. Desde sempre o meu ciclo de amizade é constituído de 99,9% de homens e os outros 1% de mulheres. Então eu não me importava muito em ir arrumada pra escola, isso não fazia diferença, pra mim no caso, porque pras "popularzinhas" era lei obrigatória (quando falo isso parece até que estou citando um desses filmes de colegiais). Com o passar dos anos as coisas foram mudando...


Lá pros meus 12, comecei a me importar mais em estar "legal" pras pessoas. Eu estudava de manhã, então comecei a acordar mais cedo só pra fazer trancinha no cabelo. Por um tempo me privei de subir nas árvores e comecei a me "socializar" mais com os coleguinhas do colégio. Foi ai que surgiu a tal brincadeira da garrafa "verdade ou consequência". Eu sempre fui do tipo "bobona" então não sacava muito e na maioria das vezes ficava boiando nas brincadeiras. Lembro de um dia em que juntou  todo mundo na hora do recreio e começamos a jogar. Caiu em um menino e ele pediu "consequência" mandaram ele me dar um selinho, só que eu não aceitei e sai do jogo .HAHAHA. Por mais de duas semanas ficaram em zoando por motivos de "a Jully não beijou fulano lalala" então comecei a ser zoada e ter fama de" BV" (lembram dessa sigla?) quem nunca? #eusempre. Todas as minhas amiguinhas já sabiam beijar eu não (o que me deixava diferente delas.Na época,porque hoje vejo que é idiotice) . Os meninos chegavam em mim, e eu sempre falava "N-Ã-O". Comecei a me arrumar diferente. Usar tranças era cafona, a moda era cabelo solto. Eu NUNCA tinha ido de cabelo solto pra escola. Sempre ia com a calça larga da escola com a blusa pra dentro haha. E me lembro direitinho quando fiz diferente. Era segunda-feira, acordei soltei meu cabelo e coloquei uma calça jeans. Cheguei na escola e ninguém me reconhecia, nunca sofri bullyng nem nada disso, mas os meninos nunca me olharam igual naquele dia.

Mas eu não me sentia confortável de calça jeans e voltei a usar a calça larga da escola. E depois disso comecei a encaixar na minha cabeça que eu não precisava ir "arrumada" pra fazer com que as pessoas me achassem bonita ou gostassem de mim. Tudo bem que a gente detesta o fato de sermos "excluídos" mas com o tempo a gente aprende. Hoje com os meus 16, as meninas que me criticavam, que me chamavam de feia/macho e fêmea/ maria homem, são leitoras do blog e curtem todas as minhas fotos em redes sociais. E eu não tenho nenhum receio em relação a isso. Uma coisa que aprendi com esses fatos, é que o mundo gira, e se você é do tipo de pessoa que se sente feia/excluida/estranha/diferente, continue assim porque ser igual é chato. E esse foi o momento em que "tudo começou a mudar na minha vida", foi quando eu abrir a mente e comecei a enxergar as coisas de outra forma. Tem muitas das quais não superei, mas como dizem por ai... O tempo cura tudo!!

Beijos enorme no coração de vocês.

Twitter |    Facebook  |  Instagram
JULLYMOLINNA.COM · · Todos os direitos reservados © 2014 · Tecnologia Blogger